Medicina dentária

Dr. Bruno Maia

Cinco boas razões para perder o medo de dentista e visita a Clinica Santa Cruz

O beneficio de ter dentes. Imagine a vantagem de ter dentes tratados, bonitos e os seus benefícios. Já pensou como é desagradável não conseguir mastigar os alimentos que mais deseja? Já se imaginou a sorrir sem dentes ou tentar falar e não conseguir? Sabia que as cáries influenciam negativamente o organismo em geral? Se refletir um pouco sobre os malefícios da perda de dentes, decerto achará que os benefícios da ida ao dentista superam o medo inicial que possa existir.

A humanidade do médico dentista é um tema cada vez mais atual. Os profissionais são formados e educados para praticarem a medicina com humanidade. O doente é tratado com amabilidade e os tratamentos são indolores.

O conforto das clínicas dentárias. As nossas clínicas são esteticamente agradáveis e muito confortáveis. Enquanto faz os tratamentos pode ouvir música ambiente e descontrair. Por outro lado, o pessoal médico e auxiliar estão preparados para o receber com cortesia e gentileza. Quem não gosta de ser bem tratado ? A amabilidade do nosso pessoal fará decerto aumentar a sua confiança e bem estar.

As anestesias. Para que não sinta dor nenhuma, utilizam-se diversos tipos de anestesias locais. Longe vão os tempos em que a anestesia era pouco utilizada. Nos dias de hoje os tratamentos são feitos de forma indolor.

Lembre-se que os tratamentos dentários podem fazer toda a diferença na sua saúde física e psicológica com aumentos inacreditáveis de autoestima.

Dor de Dentes

O que é uma dor de dentes ?

Geralmente é uma das piores dores que um ser humano pode sentir. A maioria das pessoas experimenta essa sensação desagradável pelo menos uma ou várias vezes ao longo da vida. É extremamente incomodativa ao ponto de incapacitar uma pessoa a desempenhar as mais rotineiras tarefas diárias.

A dor de dentes é uma sensação anormal que resulta da estimulação do nervo dentário e pode ser aguda, fininha, penosa, latejante, insuportável , muito forte ou moderada. Aparece bruscamente e pode atingir o ouvido, o maxilar ou ainda um ou vários dentes em simultâneo.

É uma dor muito comum e pode surgir em qualquer idade, desde o nascimento à velhice.

Porque doem os dentes?

A boca é composta por nervos semelhantes à ramificação de uma árvore a partir do tronco principal. O nervo principal da boca denomina-se de trigémeo; divide-se em três ramos. Um ramo é o dentário inferior que enerva o maxilar inferior, outro ramo enerva o maxilar superior e por ultimo, o terceiro ramo enerva a parte anterior da face.

Além dos nervos da boca existem os nervos dos dentes que provocam a tal desagradável dor . O dente é composto pela coroa, a parte branca visível. No seu interior encontramos a polpa onde estão os vasos sanguíneos e o nervo que acompanham o dente até à raiz a sua parte final.

Como todos os ramos têm inicio na zona troncular e todos os dentes são enervados a partir da mesma origem, a dor pode ser reflexa, ou seja, embora ela seja de um dente especifico a pessoa sente-a noutro e muitas vezes refere-a como sentida em outro sitio.

São estes nervos e a sua estimulação que provocam a tal sensação desagradável já referida.

Quais são as causas da dor de dentes ?

  • A causa mais comum é a presença de cárie geralmente causada por uma deficiente higiene oral;
  • A gengivite ou inflamação da gengiva causada pelo excesso de placa bacteriana pode causar dor;
  • O ranger dos dentes ou bruxismo é geralmente responsável por dores dentárias e gengivas doridas;
  • A dor de ouvido;
  • Sensibilidade Dentária;
  • A sinusite ou inflamação da mucosa dos seios nasais pode originar dor de dente caso as cavidades paranasais estejam próximas da dentição do maxilar superior;
  • Abcessos na gengiva;
  • Quando existe desgaste do esmalte dentário;
  • Alimentos muito quentes ou muito frios;
  • Dores de ouvidos;
  • O uso de aparelho dentário pode causar incomodo e também dores ligeiras;
  • O nascimento ou a erupção de dentes nos bebés;
  • Após uma desvitalização dentária;
  • Inflamação do nervo trigémeo.

Como evitar ou prevenir uma dor dentária ?

A escovagem dos dentes a seguir às refeições é da maior importância já que a causa mais comum para o aparecimento da dor é a falta de higiene dentária. A função principal da escovagem dentária é remover a placa bacteriana e evitar que as bactérias destruam o esmalte. O uso de fio dentário é fundamental porque ajuda a retirar restos de alimentos em sítios onde a escova dentária não consegue aceder. As visitas periódicas ao dentista previnem com toda a certeza uma possível dor porque detetando-se atempadamente cáries ou doenças orais , estas podem ser tratadas , prevenindo e evitando assim o posterior aparecimento de dor.

Como se trata a dor de dentes ?

A dor é tratada dependendo das causas e estas podem ser diversas. É importante a consulta clinica de observação. Através da imagiologia ou radiografia visualizam-se também tecidos gengivais, raízes e possíveis cáries.

Os medicamentos tais como aspirina, paracetamol, antibiótico ou anti-inflamatório apenas apaziguam e aliviam a dor mas não a tratam realmente. A dor reaparece novamente caso não haja a intervenção do dentista que ao identificar o problema o pode resolver com procedimentos clínicos adequados tais como a remoção de uma cárie, a drenagem de um abcesso ou a desvitalização de um dente.

Gengivite

O que é a gengivite?

As gengivas são uma parte muito vulnerável da boca e que está sujeita a muitos fatores de risco e perigos. A gengivite é uma doença multifatorial, resulta de uma relação complexa entre os agentes infeciosos e os fatores do hospedeiro.

A gengivite é a primeira fase da doença gengival. A cor habitual da gengiva é rosa pálido. A gengivite torna as gengivas avermelhadas. Estas podem inchar ou ficar excessivamente lisas e brilhantes. Pode existir ligeiras ou mais severas perdas de sangue durante a alimentação e durante o processo de higiene oral. As bactérias libertam substâncias agressoras (toxinas) e o organismo tenta defender-se. Essas bactérias provocam uma inflamação por irritação nas gengivas.

  O aparecimento da gengivite acontece sobretudo pela acumulação de placa bacteriana. Esta acumulação de bactérias denominada de placa ou biofilme acontece a longo prazo pelo acumular de restos de alimentos entre as peças dentárias. Se a placa não for removida transforma-se numa substância dura denominada de tártaro. As bactérias atacam o periodonto (osso alveolar, ligamento periodontal e cemento), tecido que sustem os dentes.

A gengivite é a fase inicial da periodontite. Quando surge não é dolorosa. Porém, o alastrar da doença pode afetar gravemente os dentes e causar muito desconforto.

Fases de uma gengivite

  • Fase inicial: Pode existir uma ligeira hemorragia durante a escovagem. As gengivas ficam ligeiramente avermelhadas. Esta fase é ainda ligeira e difícil de detetar.
  • Fase intermédia: Nesta fase intermédia surge o inicio da lesão. As gengivas ficam um pouco mais avermelhadas, a hemorragia é maior durante as escovagens e a sensibilidade aumenta.
  • Fase final: A lesão torna-se grave. Pode existir hemorragia abundante durante as escovagens. O epitélio alarga-se, ou seja, o espaço entre a gengiva e o dente.

Quais os sintomas da gengivite?

As gengivas ficam avermelhadas, a pessoa sente dor e sensibilidade à temperatura quente ou fria. Pode surgir mau hálito. Pode existir retração gengival e por esta razão os dentes parecem ser maiores. Por vezes surgem reservatórios de pus junto da gengiva.

Causas da gengivite

A principal causa é o acumular de placa bacteriana na linha das gengivas. Essa placa denomina-se de tártaro. Pode estar associada a alterações hormonais. É comum encontrar a inflamação em adolescentes que atravessam um período de intensa produção hormonal, em mulheres no período menstrual, que geralmente apresentam hiperplasia gengival, o aumento e inchaço da gengiva.

As grávidas são classificadas como um grupo de risco. A inflamação é denominada de gengivite gravídica e há que salientar a possibilidade de evolução para a existência de uma bolsa de pus(bolsa periodontal). Há maior incidência de gengivite em pessoas que, por alguma incapacidade motora ou por má posição dentária (dentes sobrepostos) ou mesmo pelo uso de aparelho ortodôntico, têm dificuldade em escovar os dentes corretamente.  Outro tipo de gengivite está relacionado com as doenças sistémicas, tais como diabetes , leucemia e a sida. Em virtude da dificuldade de cicatrização e baixa imunidade, a gengivite é mais agressiva nos portadores dessas doenças. Fumadores também são mais propensos a ter gengivite aguda. Um fumador produz menos saliva e, consequentemente, tem menor produção de anticorpos. O fumo do tabaco altera a resposta do organismo aos ataques das bactérias responsáveis. O organismo fica debilitado com o fumo dos cigarros e não consegue reagir. Onde se localiza a gengivite? A gengivite pode estar localizada num ou mais grupos de dentes, conforme a distribuição do fator irritativo (localizada) ou, ainda, em todos os dentes (generalizada). Pode atingir apenas a papila (gengivite papilar), estender-se à gengiva marginal (gengivite marginal) ou, ainda, à gengiva inserida (gengivite difusa).

Quais as complicações causadas pela gengivite?

As gengivas sangram. Muitas casos de gengivite acontecem devido à dificuldade em identificar os seus sintomas. Quando não é corretamente diagnosticada e tratada pode originar em casos extremos a perda de peças dentárias ou seja a extração inevitável. A infeção alastra , destrói os ligamentos do dente e os tecidos circundantes. A gengiva separa-se progressivamente do dente e este acaba por cair. Uma gengivite na sua fase mais aguda pode tornar-se em periodontite.

Qual o tratamento da gengivite?

  • Consultas regulares no dentista, de seis em seis meses ou uma vez por ano evitam que uma doença gengival ultrapasse a fase inicial prevenindo assim danos irreversíveis.
  • O tratamento destartarização remove a placa.
  • A higiene oral é de extrema importância e é considerado um tratamento de profilaxia. Uma boa higiene oral reduz e evita o aparecimento da doença das gengivas.
  • Existem pastas dentífricas especialmente concebidas para evitar a hemorragia gengival. Os dentes devem ser escovados diariamente várias vezes ao dia assim como a língua e o palato (céu da boca).
  • Deve-se usar elixires orais para complementar a higiene. Estes elixires contribuem para eliminar as bactérias que possam ainda estar alojadas entre os dentes mesmo após uma correta escovagem.

Periodontite –  Piorreia

Periodontite é uma infeção bacteriana que afeta os tecidos periodontais (gengiva, ligamento periodontal e osso alveolar) responsáveis pelo suporte dos dentes na cavidade oral.

As gengivas começam por separar-se e a recuar do dente permitindo que a placa bacteriana avance pela raiz, pelas fibras de suporte e pelo osso. Na periodontite avançada as fibras de suporte e o osso estão destruídos. Os dentes começam por ter mobilidade sendo muitas vezes necessária a sua extração.

Sintomas:

  • Mau hálito (halitose);
  • Sensibilidade dentária ao frio;
  • Alteração da posição dentária;
  • Pus na gengiva (supuração);
  • Hemorragia gengival espontânea;
  • Hemorragia durante a escovagem;
  • Mobilidade dentária;
  • Gengiva vermelha e inchada;
  • Dentes descarnados;
  • Retração gengival;

O que é a doença das gengivas?

Trata-se de uma inflamação que quando evolui pode afetar o suporte dos dentes ou seja o osso do maxilar ou mandíbula.Com a destruição do suporte dos dentes formam-se bolsas periodontais.

A inflamação da gengiva é causada por bactérias que vivem na boca de cada pessoa e que com o tempo vão criando uma película. Para evitar que essa película fortaleça e fique rija é necessário escovar diariamente muito bem os dentes ou corre o risco de já não ser possível a sua remoção. Esta película denomina-se por placa bacteriana. Por vezes, quando a placa bacteriana é abundante só já é possível de ser removida pelo dentista.

Quais são as consequências da periodontite?

A periodontite pode causar mobilidade dentária, ou seja, os dentes podem começar a abanar. Se a mobilidade for grande pode significar perder os dentes pois eles têm que ser removidos pelo médico dentista. Em casos extremos ou quando a doença está muito avançada podem cair naturalmente.

Quais são as fases da doença das gengivas?

A fase inicial caracteriza-se pelo aumento da placa bacteriana na zona entre o dente e a gengiva. Este aumento da placa produz uma inflamação da gengiva e denomina-se por gengivite. A gengivite quando detetada precocemente pode ser tratada e é reversível. A fase irreversível da doença chama-se periodontite, ou seja, o suporte dos dentes, o osso, fica definitivamente comprometido. Por vezes forma-se uma bolsa invisível por baixo das gengivas onde se alojam restos de alimentos e placa bacteriana.

Como detetar a doença das gengivas?

O primeiro sinal surge ao escovar os dentes, surge uma ligeira hemorragia. Outros sinais de alerta são gengivas inflamadas ou avermelhadas. As gengivas podem retrair e os dentes parecerem ser mais compridos que o normal. Os dentes podem ficar separados e aparecer pus. O mau hálito persistente é também um sinal de alerta assim como a sensação de sabor desagradável e constante na boca.

Como se trata a periodontite e gengivite?

A prevenção escovando muito bem os dentes pode ajudar na eliminação da placa bacteriana que por vezes calcifica;

A destartarização remove a placa bacteriana mesmo quando esta já se transformou em tártaro ou está calcificada. A destartarização é feita com um aparelho que emite vibrações e tem o nome de destartarizador;

O alisamento radicular é também uma alternativa para o tratamento das gengivas. Trata-se da raspagem da raiz do doente. Com esta raspagem cuidadosa o dentista alisa e limpa as zonas irregulares da raiz e as bolsas que se formam. O procedimento contribui para evitar que se acumulem novamente placa e tártaro nessa zona. Este tratamento pode ser feito manual ou com a ajuda de aparelhos de ultra sons;

A cirurgia para eliminação das bolsas periodontais é outra forma de tratar a periodontite. O tecido gengival é descolado, a placa removida e a gengiva é novamente reposta e suturada. É um procedimento feito no consultório com anestesia local e o pós operatório é fácil e sem dor.

A Saúde Oral e a Gravidez

Segundo um estudo conduzido pela professora norte americana Stefanie Russell publicado no site “American Journal of public Health”, as mulheres que deram à luz mais filhos têm mais probabilidades de vir a sofrer de perda dentária.

Que efeitos a gravidez pode ter na saúde oral ?

São necessárias mais pesquisas para confirmar que e como a doença gengival afecta a gravidez mas, aparentemente, a doença gengival desencadeia o aumento dos níveis e fluídos biológicos que induzem o parto. Outros dados também sugerem que quando a doença gengival se agrava durante a gravidez, existe um maior risco de nascer um bebé prematuro. 

Durante a gravidez, os dentes necessitam de uma atenção especial. Fazer uma dieta equilibrada e visitar regularmente o seu dentista irá ajudar a reduzir os problemas dentários que acompanham a gravidez. 

O conceito amplamente difundido que durante a formação dos ossos do bebé é retirado o cálcio dos dentes da mãe está profundamente errado. Algumas lesões de cárie que surgem durante e após a gravidez estão relacionadas com lesões de cárie que não foram detetadas e tratadas anteriormente, a alterações hormonais que podem induzir alterações do metabolismo e da ação da saliva sobre a boca e dentes.

Durante a gravidez que problemas orais podem surgir?

Estudos mostram que muitas grávidas apresentam gengivite gravídica – quando a placa bacteriana se acumula nos dentes e inflama as gengivas. Os sintomas incluem gengivas avermelhadas, inflamadas com hemorragia. 

A gengivite gravídica ocorre com mais frequência devido ao aumento do nível de hormonas que potenciam a forma como as gengivas reagem a produtos inflamatórios da placa bacteriana. Contudo, é a placa bacteriana e não as hormonas a principal causa da gengivite. 

Manter os seus dentes limpos, sobretudo junto à linha gengival, ajuda a reduzir drasticamente a gengivite durante a gravidez.

A visita ao dentista durante a gravidez?

É fundamental alertar o seu técnico de saúde oral que está grávida. Mesmo em situações de aparente normalidade é aconselhável marcar uma consulta no dentista entre o quarto e o sexto mês de gravidez. Os três primeiros meses são muito importantes para o desenvolvimento do bebé. Durante o último trimestre, o stress associado às visitas ao dentista podem aumentar a incidência de complicações pré-natais. 
Se necessitar de uma consulta de urgência, alerte-nos antecipadamente que está grávida, assim, conseguimos reunir especialistas e equipamentos mais direcionados. Descreva o stress, complicações anteriores ou medicamentos que esteja a tomar, são fatores fundamentais que influenciam a forma como o seu dentista irá proceder. Em alguns casos o técnico de saúde oral poderá ter a necessidade de falar com o seu obstetra antes de iniciar os tratamentos dentários.

Implantes Dentários

Embora alguns tratamentos sejam aconselháveis, os tratamentos mais complicados são de evitar durante este período. No caso dos implantes dentários, o ideal é após o nascimento da criança, altura em que a disponibilidade psíquica e temporal é maior.

Halitose

O termo médico que define a presença de mau hálito denomina-se por halitose. Estima-se que cerca de 30% da população mundial possa padecer desta patologia independentemente do sexo, classe social ou idade.

Desde à milhares de anos que se encontram referências e alusões à halitose e à sua problemática. É sempre considerado um agente de embaraço social. As religiões com impacto mundial atribuem a esta patologia uma conotação espiritual negativa. Os sacerdotes judeus com halitose estavam proibidos de realizar serviços consagrados. A teologia islâmica refere a importância de limpar os dentes com um palito de madeira durante o período do Ramadão com o objetivo de prevenir o mau cheiro. Os hindus afirmavam que a boca deveria ser mantida limpa especialmente antes das orações porque era a porta de entrada do corpo.

A presença de hálito desagradável é sempre indício de atividade bacteriana anormal ou de organismo fisiológico alterado.

Causas do mau hálito

  • Doença periodontal, cáries dentárias, diabetes, infeções das vias respiratórias, refluxo gastro esófago.
  • Hábitos tóxicos como o tabaco, álcool.
  • Stress ;o sistema nervoso produz menor secreção salivar que afeta a limpeza e a sua renovação.
  • Contágio como o beijo. As pessoas têm uma grande diversidade de bactérias na boca que podem transitar de pessoa para pessoa através do beijo.
  • Causas hereditárias.
  • Existem medicamentos que podem induzir e agravar o mau odor tais como antidepressivos e antibióticos. Hábitos alimentares com jejuns prolongados, dietas pobres em hidratos de carbono, dietas ricas em gorduras, ingestão reduzida de líquidos contribuem para agravar os sintomas.

Efeitos psicológicos

A imagem pessoal é muito importante nas relações interpessoais. Um cheiro desagradável é considerado antiestético e perturba o normal relacionamento entre os indivíduos.

Quando se tem consciência do mau hálito a manifestação comportamental é a de cobrir a boca ao falar, manter uma maior distância quando se conversa ou evitar relações interpessoais.

Esta patologia provoca ansiedade, constrangimento, insegurança e hábitos compulsivos como escovar excessivamente os dentes.

Tratamentos existentes

  • Existem antisséticos orais, elixires e colutórios considerados terapêuticos.
  • Tratando a via sistémica é possível eliminar algumas patologias associadas à halitose. É muito importante identificar o distúrbio ou a causa que desencadeia o problema para proceder ao tratamento adequado.
  • Em muitos casos a terapêutica é farmacológica.
  • Uma alimentação rica e equilibrada assim como a ingestão de líquidos contribui para a diminuição de odores indesejados.
  • A terapia pode ser psicológica e cognitiva no caso da halitofobia.

Cuidados preventivos

  • Evite a ingestão de alimentos com odor forte que provocam halitose pela via oral e via sistémica.
  • As cáries dentárias podem originar um mau odor. A procura de um dentista para identificar e tratar as cáries é fundamental assim como a doença periodontal.
  • Não fume e evite bebidas alcoólicas.
  • Escovar os dentes com uma frequência superior a quatro vezes ao dia previne o seu aparecimento.
  • Existem aparelhos que diagnosticam a halitose . A metodologia utilizada inclui a obtenção de uma colheita do ar expirado.
  • Se detetar que tem halitose procure um profissional de saúde habilitado.

Odontogeriatria

Em que consiste ?

É uma especialidade da medicina dentária que estuda, trata e previne as doenças orais das pessoas com mais de 60 anos. É uma especialidade recente, criada para ir de encontro à necessidade atual de tratar as doenças orais das pessoas idosas.

Com o avanço da ciência e da medicina, a esperança média de vida aumenta. As pessoas vivem mais anos. Com a diminuição da natalidade a população está mais envelhecida e estima-se que a percentagem de idosos em Portugal seja cerca de 32% da população.

Por estas razões criou-se a odontogeriatria especialmente dedicada aos idosos e às suas necessidades. O objetivo com a especialização de médicos dentistas nesta área da medicina dentária é a de proporcionar melhores e mais eficientes cuidados de saúde oral em pessoas da terceira idade.

Quais são as principais alterações orais no processo de envelhecimento ?

  • O paladar fica diminuído.
  • A boca fica mais seca e este processo denomina-se de xerostomia. A secura da boca é devida à alteração das glândulas salivares quer por causa da ingestão de medicamentos quer devido a doenças que atacam estas glândulas secando-as.
  • A xerostomia provoca retenção de células epiteliais e restos alimentares provocando micro organismos. Por esta razão surge a halitose no idoso.
  • A xerostomia dificulta o processo de mastigação dos alimentos, a deglutição e a fala. Estes fatores dão origem a uma dieta deficiente e pouco rica em nutrientes prejudicando a saúde em geral.

O tecido ósseo sofre alterações tais como a diminuição da sua resistência. A reabsorção aumenta. Inicia-se a retração gengival, mobilidade e perda de dentes.

  • A perda de dentes é frequente devido a cárie, doença periodontal (inflamação e infeção dos tecidos de suporte) e mobilidade provocada pelo défice de osso e infeção dentária.

Como prevenir a degradação dos dentes nos idosos ?

  • A higiene dentária e as consultas periódicas no dentista são a melhor maneira de evitar a xerostomia, cáries, doenças periodontais e cancro oral.
  • A alimentação e uma dieta equilibrada à base de frutas, legumes e fibras, evitando doces e bebidas refrigerantes, vão proporcionar ao idoso um organismo mais funcional e melhor saúde oral.

Importância das próteses e dos implantes dentários na terceira idade

O ideal seria que a pessoa idosa tivesse a possibilidade de recuperar a sua dentição perdida através do melhor e mais eficaz tratamento conhecido na atualidade que são os implantes dentários. Porém a realidade do nosso país não é essa. Muitos idosos não conseguem suportar sequer o custo de uma prótese acrílica removível. Encontram-se em uma altura da vida em que o ganho financeiro é menor porque estão reformados e o custo da implantologia, apesar de muito acessível nas nossas clínicas ainda pesa no bolso da maioria. O ideal é que o estado comparticipa-se de alguma forma o tratamento prevenindo assim muitas doenças que são posteriormente um custo para o país, tais como problemas gastrointestinais, digestivos e psicológicos.

Implantes para segurar dentaduras

Este é talvez o procedimento mais procurado por pacientes com mais de 60 anos. São as denominadas dentaduras fixas ou overdenture.

As próteses removíveis inferiores começam a ficar folgadas e a oscilar devido à perda de osso na mandíbula. A única forma de as fixar é com a ajuda de dois implantes na mandibula fixos à dentadura. Este procedimento contribui para aumentar a estabilidade da prótese, restitui a função do sistema mastigatório assim como a função fonética. 

A importância de ter dentes não significa apenas mastigar , falar corretamente e prevenir doenças derivadas. Tem um sentido muito mais abrangente que inclui a estética facial e o bem estar psicológico, a inserção social do idoso.

O idoso desdentado e sem prótese adequada tende a isolar-se e a deprimir-se solitariamente. Para responder de forma eficaz a estes problemas surgiu a odontogeriatria que incide sobre os problemas orais nas pessoas da terceira idade procurando resolve-los, aumentando o seu conforto e a sua qualidade de vida.

Ranger os dentes (Bruxismo)

Em que consiste o bruxismo ?

Bruxismo é a designação de ranger os dentes. A palavra vem do grego e significa fazer ruído. Estudos que incidem sobre o ranger de dentes revelam que cerca de 15% das pessoas sofrem desta patologia.

Quais os sintomas do bruxismo ?

  • Durante o dia a pessoa aperta os dentes inadvertidamente. Este apertar de dentes é involuntário e a própria pessoa não se dá conta. Os efeitos são o desgaste anormal da dentição e também um ou outro dente rachado e dorido.
  • Durante a noite a pessoa range os dentes e de manhã pode acordar com dores nos maxilares ou na mandíbula. Geralmente são familiares que ouvem o ruído de ranger os dentes enquanto a pessoa dorme. Esta não se apercebe de nada.
  • Dor inexplicável na face, no pescoço e na mandíbula acompanhada de dor de cabeça.

Quais são as causas do bruxismo ?

O stress e emoções conjugadas com um mau alinhamento dentário podem originar o ranger dos dentes. Esta doença pode estar também associada a desordens psicológicas difíceis de diagnosticar.

Quais são as consequências ?

  • Os músculos da zona interior da boca quando submetidos a pressão, a contração contínua e em excesso, interfere no normal funcionamento dos ouvidos, pescoço e ombros.
  • As articulações dos maxilares são também negativamente afetadas. Pode surgir dor e dificuldade na abertura da boca que ocasiona desvios laterais quando esta se abre ou fecha.
  • As gengivas podem inflamar e levar à mobilidade dos dentes: os dentes começam a abanar. A longo prazo pode ocorrer uma distensão dos ligamentos que fixam as peças dentárias às gengivas e à mandíbula e como consequência a mobilidade que em casos extremos provoca a queda das peças dentárias.
  • Os dentes vão ficando cada vez mais pequenos devido ao desgaste anormal. O esmalte desaparece da superfície e os dentes incisivos acabam por quase não se verem.
  • Pode provocar problemas de ATM (Disfunção da Articulação Temperomandibular).

Como se trata ?

  • O doente deve ser avaliado por um médico dentista para identificação do problema e tratamento.
  • Aliviar a tensão que se sente pode ser uma excelente terapia; ler um livro, passear, praticar desporto, ouvir música. A pessoa deverá através de atividades do seu agrado, relaxar.
  • Existem tratamentos à base de ansiolíticos acompanhados de técnicas de relaxamento.
  • À noite para dormir utiliza-se uma placa ou goteira de oclusão feita em acrílico e material transparente. Estas goteiras ou placas podem também ser feitas em silicone mole.

Para que servem as goteiras de oclusão ?

Goteira Oclusão

Previnem o desgaste dos dentes e servem de apoio à mandíbula evitando que se force demasiado a articulação. São aconselhadas a pacientes com diagnóstico de bruxismo. Este dispositivo evita o desgaste do dentes e serve apenas para prevenir que fraturem ou fiquem danificados. Evita as dores de cabeça e dores de dentes mas não trata o bruxismo.
A goteira serve para aliviar as consequências da patologia do ranger de dentes evitando assim danos mais abrangentes, porém não é adequada para tratar ou eliminar a doença.

Branqueamento / laser

Na primeira dentição os dentes são geralmente mais claros. A razão é porque são menos mineralizados e porque predomina na sua composição mais carbonato e menos cálcio.

Na infância, quando caem os primeiros incisivos, os dentes definitivos que os substituem nascem mais amarelos e contrastam com os dentes de leite adjacentes.

A parte mais branca do dente é o esmalte da coroa. A dentina que fica por baixo é ligeiramente mais escura. Quanto maiores forem os cuidados no sentido de preservar o esmalte mais brancos se mantem os dentes ao longo da vida.

O esmalte não se renova nem se recupera e por isso a sua agressão deve ser evitada.

Como preservar o esmalte dos dentes ?

  • Aconselham-se pastas de dentes pouco abrasivas e escovas macias. Escovar os dentes com escovas duras significa que pode causar dano no esmalte, exercendo a ação de uma lixa que desgasta e mostra o interior do dente que é dada pela dentina. Este interior pode ser amarelado ou acinzentado. Isto varia de individuo para individuo.
  • Os branqueamentos dentários podem ser feitos mas sem abusar do procedimento. O ideal é que na sua composição predomine o peroxide de carbamida na percentagem máxima de 16% e estes branqueamentos sejam feitos com supervisão médica.

Que fatores afetam a cor do dente ?

  • Antibióticos nomeadamente a tetraciclina.
  • A demasiada ingestão de fluor e o excesso de alguns sais minerais presentes na água.
  • Corantes e ingredientes presentes na composição de bebidas que atacam o esmalte.
  • Com a idade os dentes tornam-se mais escuros quer devido ao desgaste da mastigação quer pelo uso de escovas e pastas abrasivas.
  • O tratamento desvitalização pode ser responsável pelo escurecimento dos dentes. Quando se retira o nervo o dente tende a escurecer. É possível inverter este processo temporariamente através do branqueamento interno do dente. O branqueamento interno é muito eficaz, branqueia internamente o dente mas não dura a vida toda, o procedimento deve repetir-se de tempos a tempos.
  • A retração das gengivas pode causar mudança de cor. Esta retração é geralmente devida ao tártaro que expõe uma parte da raiz A raiz do dente não tem esmalte mas sim dentina e ao ficar visível parece que os dentes têm duas tonalidades: a coroa mais branca e a zona junto à raiz mais amarela.

Coroas Dentárias – prótese Fixa

A coroa dentária é uma capa artificial fabricada em laboratório que serve para cobrir um dente. Trata-se de um revestimento em forma do dente que se pretende tapar e que se adapta a este com precisão. São cimentadas com cimentos e colas especiais para dentistas e ficam adaptadas logo acima da linha das gengivas, cobrindo-o na totalidade. Quando bem concebidas assemelham-se a este e não se consegue detetar que é uma capa artificial . As coroas dentárias denominam-se também de prótese fixa porque não podem ser retiradas pelo paciente. Apenas o dentista na clínica as pode retirar porque são fixadas definitivamente.

Para que servem as coroas dentárias?

  • As coroas dentárias melhoram a estética. A aparência do dente pode ser aperfeiçoada tanto no formato como no tom escolhido.
  • A cor pode ser corrigida e escolhida de acordo com o desejo da pessoa ou de estruturas adjacentes. Em casos de dentes amarelados, as capas podem ser feitas no tom escolhido tornando-os mais claros e brancos.
  • Com as coroas de dentes é possível corrigir o ângulo e a inclinação de um dente ou vários. Se estes estão desalinhados podem-se fabricar coroas com o ângulo correto para que se posicionem harmoniosamente na arcada dentária.
  • Protegem dentes fracos, desvitalizados, dentes fraturados ou com restaurações antigas e com mau aspeto.
  • Adaptam-se à implantologia e são usadas para complementar um implante dentário. Podem aparafusar-se ou cimentar-se à estrutura de titânio. Em protocolos de carga imediata são adaptadas como prótese imediata.

Tipos de coroas dentárias

As coroas fixas podem ser temporárias ou permanentes.

  • Temporárias: podem ser feitas de aço inoxidável ou de material acrílico e enchidas com compósito e cimentos especiais. Estão disponíveis nas clínicas em diversos tamanhos e feitios e aplicam-se de imediato.
  • Permanentes: são de cerâmica pura ou zircónio e ainda a estrutura ou “coping” pode ser feito em metal e posteriormente coberta totalmente com cerâmica. São feitas em laboratório e sujeitas a provas de dentes durante o processo de fabrico.

Coroas de aço inoxidável, Estas são consideradas temporárias e usadas geralmente na odontopediatria. Não são produzidas em laboratório à medida, ao contrário das definitivas. Estão disponíveis nas clínicas em vários tamanhos já pré fabricados e servem para cobrir dentes de leite com o objetivo de os preservar devido a excesso de sensibilidade ou como medida de prevenção para evitar cárie futura.

Servem para preservar os dentes decíduos na criança como medida profilática. Quando chega a altura do dente de leite cair , a capa de aço inoxidável cai junto com ele. Se for necessário recorrer à extração a capa de aço inoxidável acompanha o dente sem qualquer dificuldade e extraem-se em simultâneo.

Coroas de zircónio ou cerâmica pura (metal free), O zircónio é um tipo de cerâmica utilizado na medicina dentária para a confeção de coroas, pontes ou espigão (falso couto). Estas cerâmicas conseguem um tom translucido muito bonito, muito próximo da cor natural. Por esta razão são aconselhadas para dentes visíveis e à frente, ou em casos em que a estética é muito importante. 

Pessoas alérgicas a metais podem optar por estas estruturas livres de quaisquer ligas . Não são tão resistentes como as metal cerâmica mas em termos de estética são a melhor opção conhecida na atualidade.

Coroas metal cerâmica, A estrutura interior é feita em ligas de metal ou ferro tal como o paládio, níquel ou cromo. São posteriormente cobertas a cerâmica. Estas estruturas metálicas são muito resistentes à força mastigatória. 

O inconveniente principal é, a camada de cerâmica lascar ou fraturar quando submetida a forças extremas. Tal como os nossos dentes que quebram quando trincamos alimentos demasiados rijos, com as metal cerâmica pode acontecer o mesmo sujeitas a forças excessivas. Dificilmente o metal quebra, mas a camada de cerâmica que as envolve é mais frágil e pode lascar. Ainda assim, a sua reparação em laboratório é fácil e eficaz e são novamente adaptadas ao dente. 

O outro inconveniente é a recessão gengival , quando a gengiva encolhe com o passar de anos, o metal por baixo da cerâmica pode ser visível. Nesse caso aparece uma linha escura entre a coroa e a gengiva. Para evitar esta consequência prescrevem-se para dentes anteriores em que a estética não é muito importante.

Coroas de resina acrílica, Podem usar-se de forma temporária ou definitiva. A qualidade do material acrílico não é muito resistente e têm tendência a sofrer desgaste com o passar dos anos. São muito mais económicas em termos financeiros e esteticamente bonitas. Por isso são muitas vezes um substituto às coroas de cerâmica definitivas que são mais dispendiosas. Aplicam-se para resolver os mesmos problemas de estética, fraturas ou dentes amarelados.

O sucesso de uma reabilitação fixa depende não só da experiência do médico dentista assim como da técnica utilizada na cirurgia. Outro fator muito importante a considerar são as coroas de cerâmica. Enquanto o implante de titânio serve de suporte para o novo dente, este, o novo dente artificial ou coroa, é a parte visível do tratamento. Uma ótima aparência estética é fundamental.

O que são coroas de cerâmica ?

São estruturas dentárias artificiais, produzidas em laboratório de prótese e em tudo semelhantes a dentes naturais. Servem para revestir um ou vários dentes, destruídos por cárie ou acidente e quando a raiz deste dente se encontra em boas condições. Utilizam-se também na ausência de dentes em reabilitações fixas com implantes dentários. As coroas podem unir-se e formar uma ponte de cerâmica se necessário.

Quais as características ideais de uma prótese fixa ?

  • A coroa fixa de cerâmica deve ser bem caracterizada;
  • O formato deve ser adequado ao espaço a preencher;
  • A oclusão dentária deve ser feita sem esforço e em harmonia;
  • A cor das cerâmicas deve estar de acordo com os dentes adjacentes para que a sua integração na arcada dentária seja estética e natural.

Como se produzem as coroas fixas ?

A produção e fabrico desta peça dentária artificial é da maior importância. Podem ser fabricadas recorrendo a sistemasconvencionais de fundição ou com o recurso a tecnologia de ponta como o CAD/CAM.
Ao longo dos anos as técnicas e materiais utilizados foram alvo de intensa investigação de forma não só a facilitar e acelerar o seu processo de fabrico como também a de aumentar a sua resistência, durabilidade e qualidade.

O que é o sistema CAD/CAM ?

O sistema Cad/ Cam é a mais recente tecnologia na área da prótese fixa.

  • CAD (computer aided design ou desenho assistido por computador) significa que com o auxilio de um programa de software específico e um computador é possível criar, modificar e analisar imagens a 3 dimensões. O modelo a gesso da boca do paciente é introduzido em uma máquina. Posteriormente é digitalizado e manipulado. Este tratamento permite criar o ficheiro CAD de uma ou mais peças dentárias.
  • CAM, (computer-aided manufacturing ou produção assistida por computador) significa que após o desenho, o ficheiro é enviado para uma outra máquina ou fresadora que vai assegurar a sua produção.

Vantagens com o uso de CAD/CAM

  • O processo computorizado e a utilização de blocos metálicos ou de cerâmica resulta em maior precisão na estrutura das próteses fixas comparando com outros processos de fabrico como a fundição.
  • A tecnologia CAD/CAM permite um maior controlo de qualidade nas próteses de cerâmica aparafusadas sobre implantes dentários, próteses essas que exigem grande precisão no contacto.
  • A tecnologia CAD/CAM permite produzir diferentes estruturas em diversos materiais como zircónio, liga de cromo cobalto e outros como o titânio.
  • A produção das estruturas dentárias é mais fácil e a qualidade é superior em relação aos processos de fundição convencionais.
  • A técnica permite apresentar trabalhos mais estéticos com desgaste similar ao esmalte de um dente e de grande resistência.
  • Com o auxílio do software é possível fazer um enceramento de diagnóstico virtual através da visualização do desenho que fica em arquivo no computador. O paciente através do desenho pode visualizar o resultado final antes de concluído.

IMPLANTOLOGIA

A Implantologia é uma área cirúrgica da Medicina Dentária que se dedica à colocação de implantes dentários. Os implantes dentários são estruturas fabricadas numa liga de titânio, colocados na maxila ou na mandíbula, que substituem as raízes de dentes perdidos. Oferecem uma solução segura e permanente para a substituição de um ou mais dentes, funcionando como pilares de suporte para coroas unitárias e pontes fixas ou removíveis, parciais ou totais.

Com a utilização de implantes dentários o doente pode optar por uma solução fixa em detrimento de soluções desconfortáveis e inestéticas como as próteses removíveis, suportadas apenas pela mucosa, voltando a sentir o conforto que os dentes naturais oferecem.

Outras vantagens dos implantes incluem:

  • Manutenção da estrutura óssea e estética facial que se perde com a ausência de dentes;
  • Restituição da capacidade mastigatória e possibilidade de se alimentar sem a preocupação inerente ao facto de não ter dentes naturais;
  • Manutenção da integridade dos dentes vizinhos, uma vez que não são desgastados tal como acontece para a realização de uma ponte sobre dentes;
  • Melhoria substancial na confiança e segurança dadas pelos dentes naturais, proporcionando ao paciente uma melhor auto-estima, sem qualquer inibição social.

Implantes dentários all-on-four

Tratamento do maxilar sem enxertos ósseos

O que é a implantologia multidisciplinar ?

implantologia trata e reabilita a falta de dentes com soluções fixas. Nos últimos anos houve uma grande evolução em termos de técnicas e materiais. São exemplo a cirurgia guiada por computador e o conceito de metal free. Este conceito significa que já é possível produzir próteses de qualidade, fixas e sem metal no seu interior.
Por outro lado, os centros de Implantologia com especialistas em várias áreas da medicina proporcionam cuidados de saúde mais abrangentes, precisos e de qualidade superior.

Em que consiste o tratamento all on four ?

O conceito all on four permite a desdentados totais, com atrofia maxilar severa, a reabilitação em implantologia sem recorrer a enxertos de osso. O maxilar superior está mais sujeito a perda óssea, devido não só à perda de dentes mas também porque existe a pneumatização do seio maxilar. Estes fatores originam a falta de osso posterior. É frequente sermos visitados nos nossos centros de Implantologia por pacientes com osso apenas na zona anterior de canino a canino. Pessoas com estas características são especialmente candidatas à reabilitação com implantes dentários e sobre dentaduras ( próteses acrílicas fixas com implantação).
O procedimento consiste em colocar dois implantes de dentes inclinados até 30 graus na zona posterior onde existe falta de osso e dois implantes no setor anterior. O conceito original é precisamente este e o procedimento denomina-se de all on four; permite aumentar a base de sustentação e aparafusar próteses (fixas) híbridas ou de cerâmica com doze dentes.

Como é planeado o tratamento all-on-four ?

Estas intervenções são sempre planeadas com tomografias computorizadas que facultam as imagens bem definidas em diversos planos tridimensionais. Através da radiografia é possível planear o local da intervenção, a inclinação e o diâmetro do implante, assim como todo o processo que envolve a cirurgia.

A intervenção é dolorosa ?

Esta intervenção é realizada com bloqueio anestésico dos nervos, indolor e sem complicações. A cirurgia não é dolorosa.

Vantagens do tratamento:

  • Os implantes dentários inclinados no all on four são colocados onde a quantidade de osso é maior, não sendo necessário recorrer a cirurgias de enxertos tais como a elevação de seio que tornam o tratamento mais dispendioso e demorado. Um enxerto de osso significa um tempo de espera e cicatrização de alguns meses;
  • Os implantes dentários no protocolo all-on-four são especialmente indicados em casos complexos considerados impossíveis;
  • Este tipo de tratamento simplifica todo o processo de reabilitação oral e permite aos pacientes usarem uma prótese fixa aparafusada sobre os quatro implantes de dentes mesmo quando a disponibilidade óssea é menor;
  • Em termos económicos o custo total do tratamento é muito inferior comparativamente a implantes unitários. Com quatro implantes é possível aparafusar uma prótese fixa com todos os dentes;
  • A manutenção e higiene das próteses fixas é muito fácil;
  • Permite mastigar e comer todo o tipo de alimentos sólidos;
  • A frustração e desconforto causados pelas próteses removíveis desaparecem;
  • A possibilidade do tratamento all on four durar uma vida é grande. A duração e longevidade deste tratamento depende em parte da sua manutenção;
  • Os pacientes tratados com este protocolo adquirem uma aparência mais jovem porque a face fica preenchida e harmoniosa; a imagem da pessoa é favorecida.

Conclusão sobre o tratamento dentário all on four

O conceito do tratamento anteriormente descrito é não só o de acelerar todo o processo que envolve a sua aplicação assim como o de evitar os enxertos ósseos.
Nos nossos centros de implantologia consideramos importante em alguns casos aumentar o suporte da prótese fixa com o aumento do número de implantes orais introduzidos. No maxilar superior aconselhamos na maioria dos casos clínicos cinco ou seis parafusos de titânio com o objetivo de assegurar a longevidade e a estabilidade do tratamento.


Aparelhos fixos / removíveis

Prótese fixa

Protese removivel  – acrilica / esqueletica / flexivel

Botox /acido Hialoronico – facial aesthetic

Implantes

 

 

Sedação

Anestesia local

A opção do tipo de anestesia a utilizar depende da região a ser anestesiada e da duração da intervenção. A anestesia é realizada por infiltrações nas diferentes zonas a anestesiar; maxilar e mandibular. Em medicina dentária este tipo de anestesia é a mais utilizada seja para tratamentos com implantes, extrações de dentes ou restaurações.

Anestesia local com sedação consciente

Sedação consciente oral. Esta técnica é indicada para os pacientes ansiosos e tem uma ação ansiolítica . O médico prescreve um medicamento que pode aliviar a ansiedade. Ainda assim é possível tomar um sedativo horas antes da consulta para que se sinta mais descontraído durante o tratamento.
Sedação consciente. É realizada no consultório com a presença de um anestesista. Consiste na administração de um gás através de uma máscara nasal. A dose de gás a administrar é controlada por um aparelho e pelo médico. O Protóxido de Azoto ou óxido nitroso é um gás com cheiro adocicado e que permite vários níveis de sedação dependendo da quantidade a ser administrada. Provoca principalmente bem estar e o paciente fica colaborante. Atua a nível cerebral. É uma técnica muito utilizada na Europa e Estados Unidos, absolutamente segura para adultos e crianças.

Restaurações

Cáries dentárias

O que é a cárie dentária ?

É a desmineralização do esmalte. Esta desmineralização é provocada por bactérias que vivem na boca de cada pessoa. Estas bactérias em presença de hidratos de carbono (glicose e sacarose) produzem ácidos com capacidade para destruir parcial ou por completo o esmalte.

Como se caracteriza ?

A cárie apresenta alteração da cor do dente semelhante a uma mancha branca. Esta mancha branca indica a desmineralização do dente. Pode observar-se também um pequeno orifício. Mais tarde podem surgir lesões e manchas escuras.

O que é o esmalte ?

O esmalte é composto por minerais, agua e matéria orgânica. É bastante resistente com uma dureza similar ao diamante e encontra-se na composição de um dente.

Como se inicia uma cárie dentária ?

A doença cárie dentária é basicamente a destruição do revestimento dos dentes. A desmineralização do esmalte é um processo contínuo e diário. A sua remineralização é também diária e constante e acontece através da ação da saliva. Os fragmentos de alimentos alojam-se geralmente nos sulcos e interstícios. Com o tempo forma-se uma cavidade.

Quais os fatores que favorecem o aparecimento de uma cárie dentária ?

  • Falta ou higiene oral deficiente;
  • Resistência frágil e natural de um dente;
  • Insuficiência de sais minerais nomeadamente flúor.

Como prevenir o aparecimento de cáries orais ?

Deve escovar os dentes com dentífrico fluoretado no mínimo duas vezes por dia. O uso de fio dentário antes de escovar os dentes é de extrema importância. Visitar o dentista com regularidade e seguir os seus conselhos contribuem para uma melhor saúde oral.

Qual a importância do fluor na prevenção da doença cárie ?

O fluor existe na água e é um elemento químico. Encontra-se também em certos alimentos nomeadamente na fruta, legumes e derivados do leite. O fluor age como um protetor do esmalte do dente evitando a sua desmineralização em presença de alimentos com açúcar.

Fase inicial

Na sua fase inicial a cárie é uma ligeira destruição do esmalte dentário. Não existe dor e apenas o dentista a pode detetar.

Fase avançada cárie dentária

Numa cárie profunda, existe a destruição do esmalte e da dentina, formando-se uma cavidade no dente. Nesta fase pode existir dor com o contacto de alimentos frios ou quentes. 

Numa cárie em estado muito avançado, vasos e nervos são atingidos, a destruição do dente atinge a polpa, existe dor dando muitas vezes origem a um abcesso que se não for tratado poderá evoluir para granuloma e consequentemente quisto.

Prevenção das cáries dentárias.

As cáries dentárias apenas podem ser interrompidas, por isso, a melhor forma de tratamento para uma cárie é a prevenção.

  • Evitar alimentos com elevado teor de açúcar;
  • Higiene oral diária correta;
  • Utilização de dentífrico, escova e técnica de escovagem adequados e aconselhados pelo seu técnico de saúde oral.

Como se trata?

O momento ideal para tratar uma cárie é sempre na sua fase inicial antes de se iniciar o processo de dor. Se uma carie for tratada após o seu aparecimento dispensa-se geralmente a utilização de anestesia.

  • A cárie pode ser removida com uma cureta, espécie de pequena colher; faz-se uma raspagem e esta é retirada em fragmentos. Este procedimento aplica-se a uma cárie inicial sem dor nem anestesia;
  • Para pequenas cáries iniciais pode também utilizar-se um gel que as vai amolecer e destruir. Este procedimento é feito a adultos e crianças mais sensíveis;
  • Em cáries profundas utilizam-se instrumentos mecânicos com brocas. Com estes instrumentos é possível cortar, desgastar e dar forma;
  • Os raios laser surgiram recentemente no nosso país para tratar gengivectomias sem dor, sem sangrar e sem anestesia. São utilizados como anti-inflamatório pela radiação e também no tratamento de cárie.

Endodontia – desvitalizar

Cirurgia oral – extração / biópsias

 Smile design 



 













 

 

Copyright © 2018 - Clínica Médica Santa Cruz